Juristas propõem lei para a mediação e a revisão da lei de arbitragem

 

Uma alternativa usada em vários países para desafogar a Justiça, pode virar lei no Brasil também. É a prática da mediação. Um grupo de juristas terminou, nesta sexta-feira (27), uma proposta para ser encaminhada ao Congresso Nacional.

José Gabriel Furtado não conseguiu pagar  um empréstimo. Tentou negociar, mas o banco foi para a Justiça. Ele conta que a ação que se arrastava há sete anos foi resolvida em uma sessão de mediação nesta sexta (27).

“Em questão de duas horas, com a mediadora dando toda a assistência, se resolveu da melhor forma possível”, conta o propagandista José Gabriel Furtado.

O Brasil ainda não tem uma lei que trate da mediação. Apesar disso, ela já é praticada informalmente. Essa é uma alternativa já usada por vários países para dar soluções mais rápidas para os conflitos do dia a dia e desafogar a Justiça, que, no caso brasileiro, recebe 90 milhões de processos por ano.

Esse grupo de juristas terminou nesta quinta a proposta de uma lei para a mediação e a revisão da atual lei de arbitragem, outra forma de solucionar pendências fora dos tribunais.

A mediação é para os casos mais simples, como  briga de vizinhos, problemas na compra e venda de produtos. O mediador facilita a negociação para que os envolvidos cheguem a um acordo, mas ele não tem poder de decidir.

Já a arbitragem é mais aplicada a questões empresariais e comerciais, normalmente de grande porte. O árbitro - que é pago pelas partes - decide a questão e o que ele determina tem força de uma decisão judicial.

Os juristas estenderam a arbitragem para contratos com a administração pública, como os investimentos para a Copa e os do pré-sal. E também para alguns casos de direito trabalhista.

“O judiciário nunca vai ter um problema com a arbitragem, ao contrário, é uma força auxiliar importantíssima. E a mediação, quando um terceiro, imparcial tenta estimular a que as partes possam solucionar os seus conflitos, essa  mediação nós acreditamos que se ela for anterior à propositura da ação, ela vai desafogar muito o quantitativo de novas causas”, destaca o ministro do Superior Tribunal de Justiça Luís Filipe Salomão.

A proposta dos juristas vai ser encaminhada ao Congresso na próxima quarta-feira. Para virar lei, ela tem que ser aprovada pela Câmara e pelo Senado.

 

http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2013/09/juristas-propoem-lei-para-mediacao-e-revisao-da-lei-de-arbitragem.html

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Posts Recentes

July 11, 2019

February 14, 2019

January 17, 2019

Please reload

Arquivo