Palestra no TJPR

17/09/2014

 

 

No dia 17 de setembro, na sede da Associação dos Magistrados do Paraná - AMAPAR, em Curitiba, a Dra. Eutalia Maciel Coutinho, Vice-Presidente e Diretora de Mediação do CEBRAMAR, proferiu palestra para os magistrados aposentados daquela associação. A iniciativa do convite foi da Desembargadora Dulce Maria Cecconi - Conciliadora voluntária do Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania do 2º grau de jurisdição. Os trabalhos foram presididos pelo Desembargador Luis Taro Oyama - Coordenador do Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania do 2º grau de jurisdição. O Desembargador Fernando Wolff Bodziak - 2º Vice-Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Paraná, Presidente do Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos - NUPEMEC, apoiou a referida palestra. Estavam presentes, além de magistrado, funcionários do Tribunal de Justiça que atuam no  NUPEMEC local.  

A palestrante discorreu sobre a mediação e a conciliação como atividades complementares à justiça e destacou a importância da participação dos magistrados aposentados para o bom desenvolvimento da conciliação e da mediação. Fez um depoimento da sua própria experiência ao abraçar essa atividade após a sua aposentadoria. Ressaltou que é fundamental a experiência de vida que os magistrados aposentados trazem para a consolidação dos institutos da conciliação e da mediação,  considerada uma política pública pelo Conselho Nacional de Justiça - CNJ,  oferecendo  seu tempo e talento em favor da causa da Justiça. 

Na mesma oportunidade o Secretário Geral do CEBRAMAR, José Maurício de Lima, falou sobre o marco legal da mediação, destacando o Projeto de Lei 7169/2014, já aprovado no  Senado Federal  e atualmente em discussão na Câmara dos Deputados.  Explicou que, pela proposta, a mediação é uma atividade técnica exercida por uma pessoa imparcial, sem poder de decisão, que auxilia e estimula as partes a desenvolverem soluções consensuais para o conflito. Entre os princípios que orientam a mediação estão a imparcialidade do mediador, a isonomia entre as partes, a informalidade, a busca do consenso e a confidencialidade. Ninguém será obrigado a submeter-se à mediação. Segundo o projeto, o mediador será escolhido pelas partes ou, se indicado, deverá ser aceito por elas. A ele se aplicam as mesmas hipóteses legais de impedimento e suspeição do juiz. O mediador também não deve assessorar, representar ou patrocinar qualquer parte que tenha se submetido a mediação por ele conduzida nos dois anos anteriores, enfatizou.

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Posts Recentes

July 11, 2019

February 14, 2019

January 17, 2019

Please reload

Arquivo